Barulho diário da cidade é bomba-relógio para a saúde – gazeta online

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2012/06/noticias/a_gazeta/dia_a_dia/1260395-barulho-diario-da-cidade-e-bomba-relogio-para-a-saude.html

notíciasgazetaesportesdivirta-seeu aquiblogsgtv

Busca

04:59

3 de Junho de 2012CapaMinuto a MinutoCidadesColunasDinheiroVidaPolíticaMundoEsportesCaderno 2Prazer & CiaRevista.AGGazetinhaFlip

Barulho diário da cidade é bomba-relógio para a saúde

Pesquisa feita na Ufes aponta que ruído constante causa estado de alerta e estresse

02/06/2012 – 16h45 – Atualizado em 02/06/2012 – 16h45A GazetaShare on twitterShare on facebookShare on myspaceShare on orkutNOTÍCIAEnviar por e-mail foto: Edson Chagas / GZOs pesquisadores Anderson e Deborah medem nível de barulho de sinal de garagem: pequenos irritantesFrederico Goulartfgoulart@redegazeta.com.brVocê consegue perceber alguma relação entre o apito emitido quando se abre o portão de uma garagem e uma série de distúrbios hormonais? Se não, acredite: há mais relação entre constantes ruídos e problemas de saúde do que se imagina. É isso o que vem provando um grupo de estudantes de mestrado de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Ferderal do Espírito Santo (Ufes). Eles são responsáveis por um trabalho que associa características do espaço urbano com a psicologia ambiental, analisando os níveis de ruído do nosso dia a dia. O barulho emitido pelos sinaleiros de garagem dos prédios, que são acionados dia e a noite, por exemplo, podem causar no organismo do homem um contínuo estado de alerta e estresse. Mas esse é apenas um dos exemplos de sons que são verdadeiras bombas-relógio para o nosso organismo.Buzina de carro, ruído de ar-condicionado, de liquidificador ou até mesmo sons internos usados para abafar o barulho que vem de fora – como televisão e música alta – podem causar grandes danos. É o que aponta uma das responsáveis pelo trabalho, a aluna Deborah Zaganelli.foto: Edson Chagas / GZImprovisoO porteiro João Carlos Danielletto, 40 anos, que trabalha em um prédio na Praia do Canto, Vitória, encontrou uma saída para amenizar o barulho da sinaleira – que chega a 80 decibéis –, emitido com a entrada e saída de veículos. Ele improvisou uma fita isolante que é colocada sobre a saída de som para abafar o ruído. “O barulho é muito incômodo. Temos que dar um jeito”, diz.Na lista das consequências – além dos já citados distúrbios hormonias, que estão relacionados ao crescimento dos índices de adrenalina e cortizol plasmático e podem trazer influenciar na esfera sexual e até causar diabetes – ainda há problemas cardiovasculares, respiratórios, digestivos e musculares, além de auditivos.Na prática, os danos podem representar mudanças no humor e no comportamento, causar irritabilidade, dificuldade de concentração, fadiga mental e redução do rendimento no trabalho.Também participante do estudo, o mestrando Anderson Woelffel lembra que o mais grave é que os barulhos passam despercebidos pelas pessoas, que se acostumam a eles. “Só temos noção de como vivemos em um local ruidoso quando vamos para o interior. Nosso objetivo é pensar a qualidade de vida em uma cidade que cada vez cresce mais”, aponta.No exemplo prático do barulho emitido pelos sinaleiros de garagens, ele indica um dado preocupante: em Vitória, o som chega a registrar 80 decibéis, quando o ideal é 45.AntárticaO trabalho dos alunos de arquitetura e urbanismo começou com uma pesquisa desenvolvida na Antártica, sobre os impactos dos ruídos aos quais estavam submetidos profissionais que atuavam na Estação Comandante Ferraz. Após perceberem que mesmo lá, era possível sofrer o impacto dos ruídos gerados por equipamentos, eles decidiram ir às ruas de Vitória para analisar as consequências dos ruídos do dia a dia da cidade. Com o tempo, danos acabam em surdezA exposição a barulhos constantes é responsável por deixar as pessoas mais suscetíveis a lesões nas células do ouvido, o que podem causar até mesmo a surdez. Quem faz o alerta é o otorrinolaringologista Sebastião Cintra.Ele alerta que as pessoas que trabalham em ambientes onde o barulho de buzinas, apitos, ou mesmo o fluxo de veículos é intenso estão expostas a danos no labirinto coclear – a parte nervosa do sistema auditivo. Com o tempo, explica o médico, essa parte do sistema auditivo sofre uma degeneração natural, dando início a dificuldades de audição. No caso da exposição constante, o risco para que essa degeneração se precipite é maior.Cintra observa que o limite que já apresenta risco de lesão é algo próximo a 60 decibéis. Essa quantidade é a equivalente ao barulho registrado em um trânsito normal, sem buzinas. “Um trânsito caótico chega a apontar até 90 decibéis”, diz.Prevenção Para o otorrinolaringologista, a melhor maneira de se precaver de possíveis consequências negativas do barulho do dia a dia é procurar saber qual é o índice de decibéis registrados nos locais onde mais frequenta.”As pessoas não devem ter receio de usar o protetor auricular caso seja necessário”, diz. Além disso, o médico aponta que evitar o excesso de buzinas e a aceleração exagerada também é fundamental.AnáliseEstado emocional abalado por estímulosNosso sistema sensorial/nervoso, responsável por cada um dos sentidos, está programado para capturar os estímulos do ambiente. É uma questão de sobrevivência. Porém, não temos consciência de todos esses estímulos que estão à nossa volta. Se prestarmos atenção, não conseguimos fazer mais nada. Nosso sistema sensorial absorve tudo, define o que é relevante para a tarefa que está sendo praticada na hora e envia para o cérebro. O resto é processado inconscientemente. Essa quantidade de barulho oferece uma superestimulação a esse sistema sensorial. O esforço para lidar com a grande quantidade de estímulos que são descartados causa um enorme estresse e abala o equilibrio emocional. No nosso sistema auditivo a consequência é ainda pior, pois ele tem papel de alerta. Esse processo leva a pessoa a enfatizar emoções negativas. Em um longo prazo pode-se adquirir enxaqueca, insônia, ansiedade e distúrbios hormonais.Angelita Corrêa Scárdua, Psicóloga+ ESPÍRITO SANTO16:44Brasil está atrasado na implantação de políticas de regulação da publicidade infantil, diz especialista16:31Trem descarrila, derruba carga e bloqueia ferrovia16:22Índice de atraso deverá ser informado por companhia aérea15:59Quadrilha invade hotel e assalta dois cofres em São Paulo13:44Homem é encontrado morto na Praia Doce, em Piúma+ RECENTES+ lidas+ comentadas16:31Trem descarrila, derruba carga e bloqueia ferrovia16:22Índice de atraso deverá ser informado por companhia aérea15:59Quadrilha invade hotel e assalta dois cofres em São Paulo15:05Homem é encontrado morto na Praia Doce, em Piúma13:40Carteira será suspensa em até 40 dias13:13Confira como estão os preparativos para a festa de Corpus Christi12:32Bandido armado assalta posto de combustíveis em Linhares12:14Polícia fecha baile funk em Cachoeiro e prende 22 pessoas

EM DESTAQUE

VENDA CASADA

Taxa indesejada

Cliente de banco e de loja: identifique o que não pediu para não pagar pelo que não precisa

ELEIÇÃO

Atestado mental

Exigência vem de pastor da Assembleia, que indica em quem fiéis devem votar

CARREIRA

Tropeços da geração Y

40% dos jovens são reprovados na seleção de estágio por erros de ortografia

ECOLÓGICAS

Use mais a bicicleta

Plano de mobilidade prevê investimento em novas ciclovias para popularizar uso das bikes

ENEM

Prova sem surpresas

Professores dão dicas dos temas mais recorrentes no exame para que aluno se prepare

Pensar

A GAZETA

© Copyright 2010Todos os direitos reservadosDesenvolvido porFivecomCapaMinuto a MinutoCidadesColunasDinheiroVidaPolíticaMundoEsportesCaderno 2Prazer & CiaRevista.AGGazetinhaFlipExpedienteAnuncios Gazeta

Esse post foi publicado em Artigos, Notícias (Clipping), Saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s